Termos e Condições

Idade mínima:

A idade mínima obrigatória é de 16 anos, contudo, para menores de 18 anos é exigida presença dos responsáveis com reconhecimento de assinaturas acompanhado da devida certidão de nascimento ou cartão de cidadão).

Peso máximo:

O peso estipulado é de 101 kg, se for ultrapassado o referido limite, deverá haver autorização prévia de um Instrutor.

Deverá consultar o médico se:

Sofrer de doenças Cardiovasculares; Respiratórios; Ortopédicos; Epilepsia; Desmaios ou qualquer outro problema físico ou de saúde.

Agendamento:

A marcação do seu salto deverá ser realizada com pelo menos 5 dias de antecedência. Não aconselhamos o agendamento do salto tandem se esteve com sintomas de gripe, constipado ou com as vias nasais e ouvidos internos obstruídos, na última semana.

Cancelamento:

O SKYDIVE MAIA reserva o direito de cancelar quaisquer promoções e saltos tandem sem prévio aviso, agendando consoante a nossa disponibilidade bem como a sua preferência. Apresentação sobre notórios efeitos de álcool ou drogas implica o cancelamento do salto e novo reagendamento com o custo de 25€. Prazo mínimo de cancelamento de um salto reservado é de 48H para a data agendada. A não comparência no dia do salto, implica novo agendamento com o custo de 50€.

Marcações:

Apenas consideramos válida a marcação após pagamento, até esse momento a vaga não é garantida. No caso do aluno/passageiro ter iniciado o curso/salto e decidir não continuar o mesmo, não será reembolsado do montante pago no ato da sua inscrição/reserva.

Devoluções:

Em caso de não comparência sem aviso prévio, não faremos a devolução. Não fazemos devoluções até três remarcações. Faremos a remarcação no caso de mau tempo.

Ordem do salto:

Os saltos são realizados de acordo com a ordem de chegada, tendo em conta a reserva feita. A Skydive-Maia poderá alterar a ordem dos saltos de forma a acomodar todos os recursos disponíveis, ao seu critério.

Confirmação antes do salto:

O paraquedismo é um desporto que depende das condições meteorológicas que não temos controle e outras diversas razões ANAC; Controlo Aéreo; etc. Por essa razão, avisamos que se por constrangimento que impossibilite a realização do salto aconselhamos um contacto prévio ao dia do salto ou no antes de se deslocarem para o Aeródromo afim de confirmar a realização da atividade.

Prazo de Vouchers

Os vouchers Skydive-Maia são emitidos com validade de meio ano, findo o prazo de validade, terá de ser revalidado, com um custo de 50 Euros por voucher. Esta revalidação terá uma validade de 6 meses. O cancelamento total de um Voucher Skydive-Maia tem um valor de 50 Euros. A transferência de nome do voucher não tem qualquer custo, desde que feita dentro do prazo de validade do mesmo. Dentro do prazo de validade do voucher pode aumentar o prazo para mais seis meses e tem o custo de 25€.

Fotos e Vídeo

As fotografias do salto são enviadas até 48h ao passageiro em suporte digital por email, o vídeo é entregue editado ao passageiro de 5 a 20 dias após o salto. Não é possível a transferência de vídeos em bruto apenas vídeo editado. Por diversas razões de segurança aérea e outras, poderá haver Fotografias/Vídeos que pelo seu conteúdo não podem ser cedidos ao público, nestes casos, a Skydive-Maia fará a restituição total do valor pago por estes serviços.

Recomendações:

- Os passageiros devem deslocar-se à Skydive Maia com tempo e sem marcações importantes após o salto, cumprir a hora de chegada ao Aeródromo da Maia, tendo em consideração que a atividade poderá demorar cerca de 2 horas (o tempo estimado poderá variar em função de várias condicionantes, tais como: condições atmosféricas, disponibilidade dos instrutores; aeronave utilizada, entre outros)
- Trazer vestuário e calçado confortável para a atividade;
- Trazer o seu documento de identificação;
- Alimentar-se normalmente, mas sem excessos.
- Após entrar no Aeródromo, deve respeitar as regras de segurança e placas de sinalização.
- Obrigatório trazer boa disposição, família e amigos para assistirem ao salto, não esquecer do telemóvel com bateria para tirar fotografias!
Os vouchers têm a validade de meio ano. Uma vez que a atividade aeronáutica está sujeita às condições meteorológicas, tem meio ano para poder utilizar o seu voucher.
Atualmente já não é! Com a evolução do equipamento, dos métodos de instrução e com o cumprimento das regras próprias estabelecidas, hoje o paraquedismo tornou-se num desporto acessível e com um elevado nível de segurança.
Quase: como já não é uma atividade muito exigente em termos físicos, qualquer pessoa num estado físico razoável a pode praticar. Muitos saltadores possuem uma idade já avançada - 60/65 anos.
Assim, assim: o medo é um fator importante a ter em conta. Varia muito de pessoa para pessoa, diminui à medida que a instrução progride, que se salta com mais frequência e que o número de saltos aumenta.
Carregamos diverso equipamento de proteção, um conjunto com dois paraquedas – um principal outro de reserva - e vários instrumentos também. Este equipamento é apropriado para alunos/alunas e difere, portanto, em algumas características do que é utilizado pelos/pelas saltadores/saltadoras mais experientes.
Não: visto que os/as alunos/alunas têm de utilizar equipamento apropriado para os seus saltos, não é lógico adquirir equipamento tão caro para ser utilizado tão poucas vezes. Para os saltos de instrução, todo o equipamento é disponibilizado pela Escola. Tal não é impeditivo de cada pessoa ter o seu próprio equipamento, se preferir.
Não: a dobragem dos paraquedas utilizados nos saltos de instrução é efetuada por dobradores da Escola. Não faz sentido perder tempo a ensinar os/as alunos/alunas a dobrar quando têm coisas mais importantes a aprender nesta sua fase inicial.
As aulas teóricas demoram 2 dias completos. Para se efetuarem os quatro saltos do curso é, geralmente, necessário mais 2-4 dias, em função das condições meteorológicas.
São precisas condições meteorológicas favoráveis para se poder saltar: teto das nuvens acima dos mil metros, ausência de chuva, boa visibilidade, assim como o vento não deve ultrapassar os 15/20 Km/h para os primeiros saltos.
Para facilitar a saída, a velocidade do avião é reduzida para os 120/140 Km/h. Isto permite que os/as alunos/alunas alinhem com mais facilidade para sair.
Nos saltos de abertura automática, o tempo de queda até o paraquedas ficar completamente aberto varia entre os 3/4 segundos, o que corresponde a uma perda de altitude de cerca de 50 metros.
O choque de abertura é relativamente suave. No momento da abertura, a posição de corpo e o tipo de dobragem influenciam bastante a velocidade com que o paraquedas abre.
É uma situação que raramente ocorre, mas para a qual temos de estar preparados em cada salto. O procedimento apropriado, geralmente, consiste em libertarmo-nos do paraquedas principal e abrirmos o paraquedas de reserva. A simplicidade de funcionamento do equipamento torna este procedimento muito fácil de executar.
Sim: para maior segurança dos/das alunos/alunas, todos os paraquedas de instrução possuem instalado um aparelho que, em determinadas condições, faz abrir o paraquedas de reserva automaticamente.
Não: durante a instrução, é mostrada uma fotografia aérea do Aeródromo com a zona de aterragem. Em função da direção e da intensidade do vento é ensinada uma trajetória de descida progressiva, acompanhada de referências no solo fáceis de seguir até à zona de aterragem.
Sim: os paraquedas atuais possuem uma grande razão de planeio e capacidade de manobra. Através de dois manobradores levados em cada uma das mãos, podemos facilmente acelerar, travar e voltar para ambos os lados.
Não: nos últimos metros de descida toda a energia que a paraquedas traz é convertida em velocidade horizontal através dum travamento apropriado. Com uma pequena corrida a aterragem torna-se relativamente suave.
É espetacular! É uma sensação muito intensa e difícil de exprimir por palavras. Provavelmente não é sentida da mesma maneira por todas as pessoas que experimentam saltar de paraquedas. É uma experiência que nos marca para sempre.
Após ser concluído o curso podem fazer-se os saltos que se desejarem, bastando para isso continuar a frequentar a Escola. Mesmo para um/uma saltador/saltadora pouco experiente, é fácil efetuar 3 a 4 saltos por dia sem se cansar muito.
Para a maioria dos/das alunos/alunas que gostaram desta experiência e que continuam a saltar, normalmente o passo seguinte é o de ingressarem no Curso de Abertura Manual (queda-livre) - que é um curso mais longo, com mais vinte e cinco saltos e que envolve a aprendizagem de muitos mais conhecimentos permitindo, no final, passa-se a ser um saltador independente, possuidor duma Licença que lhe permite saltar em qualquer centro de paraquedismo.